PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
11/07/2017 07h17 - Atualizado em 11/07/2017 08h26

SEGUNDO DADOS, CERCA DE 28,5 TONELADAS DE SÓDIO SERÃO RETIRADAS DA ALIMENTAÇÃO DO BRASILEIRO ATÉ 2022

dino.com.br


O mundo tem estado atendo ao consumo de comida saudável e as demais opções de alimentação das pessoas. Os órgãos de saúde como a OMS (Organização Mundial da Saúde) realizaram diversos levantamentos para avaliar e determinar a partir das pesquisas a quantidade de nutrientes necessários que o ser humano precisa ingerir todos os dias para ter saúde. Uma preocupação tem sido o alto consumo de sódio da população mundial, e o Brasil chama a atenção nesse caso. A OMS indica um limite de 5g para ingestão de sódio por dia, a média de consumo de sódio diária do brasileiro é de 12g.

 

De acordo com uma pesquisa divulgada em 2016 pela EAE Business School, escola de negócios com sede na Espanha, de todos os países da América Latina a população do Brasil é a que mais gasta com comida rápida que contém uma grande quantidade de sódio.

 

Diante das informações destas pesquisas que demonstra o quanto esse hábito é nocivo para a saúde da população. Alimentos industrializados e processados estão sofrendo barreiras que estão sendo feitas por políticas públicas, o sódio é utilizado em grande escala pelo setor de alimentação rápida, porém disponíveis também nos supermercados na forma de macarrão instantâneo, pratos congelados tradicionais, lanches, etc.

 

No ano de 2011, o Ministério da Saúde realizou um acordo com a ABIA (Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação) para a redução dos índices e até agora, os brasileiros já deixaram de comer 17 mil toneladas de sódio. O ministro da Saúde assinou um novo acordo com a ABIA para reduzir mais ainda os níveis do sódio nos alimentos. Até 2022, a meta é tirar dos alimentos brasileiros cerca de 28,5 toneladas de sódio, aumentando a prevenção das doenças do coração, a principal causa de morte no país. Atualmente Ministério da Saúde está investindo contra a oferta de refis de refrigerantes nas lanchonetes, bares e restaurantes.

 

Mas para quem busca saúde mesmo comendo fora de casa, há diversas opções de alimentos que já contemplam uma diminuição significativa de sódio e de outras substâncias que consumidas em excesso pode trazer prejuízos para a saúde.

 

Os empresários do setor alimentício já estão atentos às exigências dos consumidores ligados com a boa forma, os chamados “geração fitness”, que por terem acesso fácil a informações estão cada vez mais preocupados com a saúde do corpo. Esse nicho de mercado verifica a tabela nutricional das embalagens para garantir a qualidade do que estão comendo, são exigentes não só com a qualidade dos ingredientes ou a procedência, mas também com a composição dos temperos nos ingredientes, como o sódio, conservantes, açúcar e gorduras.