PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
25/03/2020 07h26

Acomac/MT e Sindcomac/MT realizam doações de protetores faciais para hospitais públicos

Stephanie Romero


A pandemia de Covid-19 tem mobilizado a sociedade para combater a disseminação do vírus, e também despertou a solidariedade da diretoria da Associação dos Comerciantes de Materiais de Construção em Mato Grosso (Acomac/MT) e do Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção, Louças, Tintas, Vidraçaria, Ferragens, Elétricas e Hidráulicas do Estado de Mato Grosso (Sindcomac-MT), que doaram para o Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá, e também para o Hospital do Câncer, 50 protetores faciais para cada unidade de saúde, ambas estão localizados em Cuiabá-MT.

 

O equipamento de segurança serve como proteção para a face do usuário contra respingos, impactos, poeiras, e radiações ópticas, e deve ser usado com as máscaras e óculos protetores.

 

Paulo Esteves, presidente da Acomac/MT e diretor do Sindcomac/MT ressalta que, “iniciativas como essas são necessárias para proteger a equipe, que atua na linha de frente na batalha contra o coronavírus, essas máscaras auxiliam na prevenção, para que os profissionais não sejam infectados, e não transmitam o vírus para outras pessoas”.

 

No Hospital do Câncer ainda não houve nenhuma notificação de paciente contaminado pelo coronavírus, mas Tomaz Beckert, responsável pela Central de Captação da unidade alerta sobre a importância da doação. “Neste momento tão delicado, pelo qual todos nós estamos passando,  a gente precisa muito da ajuda da população. Os protetores doados pelas entidades são de estrema valia para nossa equipe médica. Pedimos para que a população siga esse exemplo, e colabore conosco, até porque as doações reduziram em 60% nos últimos dias”.

 

Carolina Moura, diretora assistencial do Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá pontua que a equipe médica, apesar de ainda não terem recebido nenhum paciente infectado, estão se preparando para enfrentar a pandemia. “O recurso que usaríamos para adquirir esses epi´s, que possuem um alto custo, podemos destinar para comprarmos medicamentos, e atender os pacientes com suspeita de coronavírus”.