PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
09/07/2020 20h57 - Atualizado em 10/07/2020 22h13

Saúde apresenta dados de distribuição de insumos contra covid-19

Jonas Valente - Repórter da Agência Brasil


O Ministério da Saúde apresentou nesta quinta-feira (9) o balanço das ações de distribuição de equipamentos, insumos e medicamentos para o combate à covid-19 em escala nacional. Até o momento, foram entregues 6.549 ventiladores pulmonares. Os estados que mais receberam foram Rio de Janeiro (814) São Paulo (766), Minas Gerais (409), Pará (406) e Bahia (321).

 

Foram distribuídos 163,3 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs), sendo 95 milhões de máscaras cirúrgicas, 36,9 milhões de luvas, 17,1 milhões de toucas e sapatilhas, 3,1 milhões de aventais e 1,8 milhão de óculos de proteção.

 

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou que a distribuição de equipamentos é feita a partir de diálogo com as autoridades locais de saúde. “Estas necessidades são expressas pelos gestores locais. São priorizadas em conjunto com Conass [Conselho Nacional de Secretários de Saúde] e Conasems [Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde]”, comentou.

 

Desde o início da pandemia, foram habilitados 9.201 leitos de Unidades de Terapia Intensiva exclusivos para atendimento a pacientes com covid-19. As Unidades da Federação com mais estruturas deste tipo habilitadas foram São Paulo (2.014), Rio de Janeiro (762), Pernambuco (644), Rio Grande do Sul (624) e Bahia (539).

 

O secretário executivo do MS voltou a destacar que a sistematização dos níveis de ocupação de leitos está difícil devido à falta do repasse de dados por estados e municípios. Até o momento, não há um dado atualizado sobre a ocupação dessas estruturas.

 

Leitos na rede particular

Sobre o esgotamento da capacidade de atendimento de leitos em diversos estados e a necessidade dessas estruturas para atender à demanda, Élcio Franco comentou que o caminho das autoridades locais de saúde deve ser a requisição de leitos da rede privada antes de recorrer, por exemplo, à construção de hospitais de campanha. Neste casos, devem ser observadas a evolução da pandemia no local e as condições de resposta do sistema de saúde.

 

"Hospitais de campanha são efetivados pelos estados e municípios em reforço à estrutura hospitalar existente. Deve ser considerada a taxa de ocupação de leitos de UTI e evolução da curva epidemiológica. Baseado nisso será identificada a necessidade ou não de hospitais de campanha. Mas isso só deve ocorrer depois de contratualizados e requisitados da rede privada de saúde os leitos disponíveis para fazer isso. Não tem cabimento construir hospital de campanha se tenho leitos ociosos na rede privada", assinalou.