PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
31/07/2020 07h08 - Atualizado em 31/07/2020 10h08

Em parceria inédita, animais domésticos resgatados na BR-163 ficam disponíveis para adoção

Laura Beatriz Resende Souza


Depois de socorridos e tratados, os animais domésticos resgatados na BR-163 podem ser adotados por pessoas que possam oferecer lar e cuidados. Com a parceria inédita no Mato Grosso firmada entre a Rota do Oeste e o Projeto Luta e União de Amigos para Animais em Risco (Projeto Lunaar) de Cuiabá, gatos e cachorros aguardam pelos novos donos em um lar temporário. 

 

O gerente de Sustentabilidade da Rota do Oeste, Wilmar Manzi, explica que a empresa resgata os animais que são localizados às margens da rodovia, em todo o trecho sob concessão (que vai de Itiquira a Sinop) e os direciona para tratamento em clínicas veterinárias. Assim, podem se recuperar de ferimentos ou até mesmo de uma possível doença. “A parceria é uma melhoria no procedimento, porque após este processo, o Projeto Lunaar vai oferecer moradia para que eles aguardem a adoção”.

 

A empresa também irá fornecer apoio nos custos de tratamento dos animais resgatados pelo próprio Projeto. Carla Fahima, membro da diretoria do Lunaar, acredita que a atitude da Concessionária irá possibilitar que muitos animais ganhem os cuidados necessários. “Como o Projeto sobrevive de doação, é muito importante que tenhamos apoio. Assim os animais resgatados ficam disponíveis para fazer uma família feliz e, enquanto isso, eles aguardam em segurança”, explica.

 

Fahima conta a experiência com a Ruth, uma cadelinha vira-lata, de porte médio, que foi resgatada pela Rota do Oeste e precisou ser operada, pois havia sido atropelada após o abandono na rodovia. A recuperação pós-cirúrgica foi feita no lar temporário já em parceria com a Concessionária. “Ela já foi escolhida por uma família e deve ser levada para casa na próxima semana. Cuidamos dela para que ela se recuperasse e ficasse mais dócil, porque é normal que o animal esteja um pouco arisco e bravo, pela situação que passou”, diz.

 

Manzi destaca que o objetivo é estar presente em todas as etapas do processo. Ele comenta que a preocupação não está em simplesmente retirar o animal da rodovia. “Sempre nos preocupamos com o tratamento, recuperação e até com o próprio processo de adoção dos bichos, para que eles possam ter donos que vão, de fato, cuidar deles. A Ruth foi uma das primeiras e esperamos que todos que forem socorridos pela nossa equipe encontrem um lar”, finaliza.

 

Os interessados em adotar um animal resgatado pela Rota do Oeste e também pelo Projeto Lunaar, podem acessar as redes sociais buscando por @projetolunaar no Facebook ou no Instagram.