PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
03/08/2020 11h53

Cresce participação da cana-de-açúcar na geração de energia

UNICA


Energia gerada a partir da cana-de-açúcar tem crescimento de 5,5% em um ano. Dados são da Resenha Energética Brasileira – Exercício de 2019, divulgada pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

 

De acordo com o levantamento, o etanol e a geração de energia com os resíduos da cana responderam por aproximadamente 53 milhões de TEP (toneladas equivalentes de petróleo) da Oferta Interna de Energia (OIE) no país, o equivalente a 18% do total da oferta de energia em 2019 (aumento de 5,5% ou 0,6 ponto percentual em relação a 2018).

 

Em 2019, a Oferta Interna de Energia no Brasil foi de 294 milhões de TEP, crescimento de 1,4% em relação a 2018, cerca de 2% da oferta mundial.

 

O levantamento revela, ainda, que o desempenho dos produtos da cana-de-açúcar contribuiu para que a participação da energia renovável subisse de 45,5% (2018) para 46,1% (2019) na matriz energética brasileira.

 

De acordo com Antônio de Padua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), os dados revelam que o Brasil continua se esforçando em aumentar a predominância de renováveis em sua matriz energética em relação ao mundo, que tem uma proporção média de apenas 14,2% de renováveis na OIE.

 

ETANOL

Segundo o diretor, o Brasil e o mundo querem a descarbonização de suas matrizes energéticas e o etanol tem grande potencial para ajudar nessa demanda por sustentabilidade e garantia de suprimento.

 

"Nesta linha, vale citar o RenovaBio como o maior programa do mundo de descarbonização, a partir de biocombustíveis, sendo uma iniciativa fundamental para o atendimento dos compromissos de sustentabilidade assumidos internacionalmente pelo Brasil, bem como para promover a adequada expansão da produção e do uso de biocombustíveis no país, com maior previsibilidade para a cadeia nacional de combustíveis renováveis".

 

BIOELETRICIDADE

Com relação à geração de energia elétrica, o setor sucroenergético também contribui para um perfil singular e positivo do Brasil em relação ao uso da bioeletricidade no mundo.

 

Em 2019, enquanto no Brasil a bioeletricidade com biomassa sólida representou 8,4% de participação na oferta interna de energia elétrica, na média mundial essa participação foi de apenas 2,1%.

 

No ano passado, a geração total de energia elétrica pela biomassa sólida foi de 54.684 GWh, sendo a biomassa da cana responsável por 36.827 GWh (67,3% do total de bioeletricidade produzida no país).

 

A biomassa sólida inclui biogás, lenha, lixívia, casca de arroz, resíduos de madeira e da cana-de-açúcar.

 

Atualmente, de acordo com Zilmar Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA, o Brasil utiliza somente 15% do potencial de geração de energia elétrica pelo setor sucroenergético.

 

"Temos que aproveitar a discussão em torno da modernização do setor elétrico e valorizar adequadamente os atributos da bioeletricidade e do biogás nos leilões regulados de energia elétrica, como sua geração renovável, não-intermitente, perto dos centros de consumo e complementar à fonte hídrica, dentre outras externalidades, o que estimularia mais projetos de geração, em linha também com o avanço do RenovaBio e integrando as políticas energéticas", avalia Souza.